OFERTA FORMATIVA

Ref. 107T1 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109188/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 18-05-2022

Fim: 18-07-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Marco Alexandre Carvalho Bento

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 120.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

As estruturas educativas centram o seu pensamento estratégico na criação e melhoria das condições de aprendizagem dos seus alunos bem como em políticas de obtenção de resultados de aprendizagem em linha com as expetativas das comunidades em que se inserem e tendo como arquétipo de referência o conjunto de objetivos e de metas nacionais nos diferentes domínios e/ou disciplinas do currículo. Na definição e redefinição de estratégias em qualquer organização educativa, tal como a níveis mais concretos e próximos, até ao nível da sala de aula, o papel dos modelos de aprendizagem de diferentes formas, assume um cariz determinante, quer na definição de orientações, quer na alocação de recursos, quer na linha condutora de aulas, quer ainda na definição de percursos educativos para os alunos e planeamento constante por parte dos docentes. A oficina servirá para os professores beneficiarem de uma introdução à pedagogia de Mobile Learning, à renovação das suas práticas e a uma reflexão conjunta sobre a criação de estratégias que incluem a utilização dos dispositivos digitais para construírem e planificarem uma aprendizagem móvel.

Objetivos

Introduzir a utilização de mobile learning em contexto educativo. Fornecer aos professores diferentes competências de aprendizagem técnica e de inovação pedagógica para a utilização de mobile learning. Promover um conhecimento de metodologias ativas com utilização de tecnologia. Integrar as componentes científica, técnica e pedagógica na elaboração de planos de aula. Construir, aplicar e refletir sobre recursos digitais para uso híbrido. Utilizar de forma colaborativa plataformas digitais. Conhecer cenários de inovação pedagógica de gamification e flipped learning.

Conteúdos

1. O Mobile Learning em contexto de sala de aula (3 horas) Definição e contexto Mobile learning como extensão de modelos de e-learning A tecnologia que permite o desenho de atividades mobile Aplicações a utilizar em contexto educativo As metodologias que podem ser usadas pelos professores em mobile learning Introdução à plataforma colaborativa de aprendizagem EDMODO Síntese do debate a elaborar pelos formandos e a partilhar com todos os grupos 2. O modelo de aprendizagem invertida (5 hora) Vantagens da aprendizagem invertida Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida O Exemplo do Edpuzzle Desenho de planos de intervenção através da aprendizagem invertida 3. O modelo pedagógico da gamificação (4 hora) Conceito de gamificação Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo Desenho de modelos gamificados online e ofline Aplicações digitais que potenciam a regulação e criação de modelos de gamificação 4. A aprendizagem cooperativa (4 hora) Conceitos de aprendizagem cooperativa Distinção de aprendizagem cooperativa de aprendizagem colaborativa As técnicas de Jig Saw e 1-2-4 como estratégias pedagógicas Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos Desenho de intervenções utilizando a aprendizagem cooperativa (Jig Saw) 5. Exploração de aplicações no sentido de planeamento de atividades em sala de aula (4 horas) Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas de tipologia quizzes, mapas mentais, animação, realidade aumentada e comunicação. Desenho de modelos de aferição de aprendizagem de processos utilizando o digtial 8. Planificação de uma atividade letiva a efetivar como trabalho autónomo (3 horas) Nesta sessão, com o apoio do formador, e tendo em conta as técnicas e os conceitos abordados, os formandos elaborarão um plano de aula a desenvolver com os seus alunos 9. Acompanhamento do desenvolvimento do trabalho autónomo dos formandos (1 hora) Nesta sessão, os formandos darão conta do trabalho que estão a desenvolver no sentido de resolver problemas e enriquecer o projeto de cada um pela partilha entre pares 10. Apresentação dos trabalhos (1 hora) Apresentação dos projetos desenvolvidos no trabalho autónomo através de narrativas digitais Trabalho autónomo: Execução em sala de aula do projeto planeado nas sessões presenciais (25 horas)

Metodologias

Nos momentos presenciais serão sempre desenhados três níveis de intervenção: 1- Explicação interativa dos conceitos a serem trabalhados 2- Desenho de planos de intervenção utilizando os conceitos aprendidos 3- Construção dos materiais necessários à implementação do plano de intervenção No trabalho autónomo, cada formando aplicará entre sessões plano de aula desenhado e construído presencialmente com a reflexão respetiva a apresentar na sessão presencial seguinte.

Avaliação

Os formandos são avaliados de acordo com as regras previstas no regulamento interno do centro de formação bem como a legislação vigente aplicável Os formandos serão informados que a para sua avaliação serão tidos em conta os seguintes parâmetros/critérios - Participação nas sessões presenciais em que será tido em conta a realização das tarefas nas sessões presenciais - Relatório/trabalho de reflexão individual onde deverá constar memória descritiva do trabalho do formando nas sessões presenciais e o produto do trabalho autónomo apresentado.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt Sharples, M. et al. (2014). Innovating Pedagogy 2014: Open University innovating report 3. Milton Keynes: The Open University. Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-05-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
2 25-05-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
3 08-06-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
4 22-06-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
5 04-07-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
6 11-07-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
7 18-07-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 21:00 4:00 Online síncrona


146

Ref. 106T1 Cancelada

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109186/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 04-09-2022

Fim: 30-11-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Tondela

Formador

João José Marques Pimentel Leal

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

Cada vez mais os professores têm necessidade de recorrer a determinado tipo de ferramentas que lhes permitam produzir conteúdos para utilizar âmbito das suas aulas e que contribuam para o seu enriquecimento pessoal na área das Tecnologias de Informação e Comunicação. À medida que os utilizadores adicionam conteúdos novos, esses passam a integrar a estrutura da rede sempre que outros utilizadores descobrem o conteúdo e se ligam a ele. Do mesmo modo que se formam sinapses no cérebro – com as associações fortalecendo-se em função da repetição ou da intensidade – a rede de conexões cresce organicamente, como resultado da atividade coletiva de todos os utilizadores da rede transformando a web numa espécie de cérebro global. Com este curso pretende-se a aprofundar a temática sobre o novo papel que devemos desempenhar numa Escola em que os ambientes digitais e os dispositivos tecnológicos, propiciam novos ambientes de aprendizagem, promovendo a comunicação em rede, numa perspetiva de partilha de recursos, experiências e construção coletiva do conhecimento. Hoje, com o mundo em constante mudança potenciada por uma pandemia de que não sabemos quais as consequências finais que trará, temos certeza da necessidade urgente de capacitar os docentes para o uso inteligente e integrado das TIC, aprofundar a temática sobre o novo papel que devemos desempenhar numa Escola em que os ambientes digitais e os dispositivos tecnológicos, propiciam novos ambientes de aprendizagem, promovendo a comunicação em rede, numa perspetiva de partilha de recursos, experiências e construção coletiva do conhecimento.

Objetivos

Com esta oficina de formação de formadores pretende-se que os formandos: -Conhecer metodologias de aprendizagens ativas e suas caraterísticas distintivas -Conhecer e planear as suas práticas pedagógicas com recurso a metodologias de trabalho por projeto -Promover a realização de atividades interativas, colaborativas e incentivadoras da criatividade; -Entender e aplicar princípios e conceitos fundamentais das Ciências da Computação -Planear atividades que desenvolvam o pensamento computacional e implementem-nas em contexto sala de aula/escolar -Conhecer e utilizar ferramentas de programação por blocos -Desenhar soluções codificadas articulando o pensamento computacional com áreas curriculares do ensino básico -Delinear atividades e estratégias de utilização de ferramentas de programação para crianças em contexto educativo -Desenvolver competências na adoção de ferramentas de programação promotoras das competências das diferentes áreas do currículo e em áreas transversais

Conteúdos

Módulo 1: Aprendizagem Criativa (3 horas) • Enquadramento e informação e sobre os conteúdos da formação e contextualização da iniciativa “Iniciação à programação no 1.º CEB”. • Articulação curricular. • Metodologias e estratégias de aprendizagens ativas e avaliação: - Project Based Learning - Problem Based Learning - Game Based Learning - Inquiry Based Learning - Pair Programming Módulo 2: Competências para o Séc. XXI e Pensamento Computacional (2 horas) •Competências para o Séc. XXI. •Pensamento computacional: - Conceitos, caraterísticas e objetivos. - Atividades de pensamento computacional. Módulo 3: Ferramentas de Programação para Crianças (15 horas) • Robótica Educativa. • Ferramentas de programação por blocos adaptadas ao ensino básico: - Principais ferramentas de programação por blocos para crianças e suas caraterísticas. - Exploração de ferramentas de programação por blocos de acordo com as necessidades dos formandos. - Planificação e conceção de recursos, utilizando as ferramentas de programação exploradas, promotores do pensamento computacional. Módulo 4: Projeto (5 horas) • Análise de exemplos de planificações de atividades de programação no contexto do 1º CEB. • Estratégias e modalidades de avaliação. • Reflexão crítica sobre o desenvolvimento de projeto suportado por metodologia de aprendizagem ativa, articulando a programação com áreas curriculares, e respetiva implementação em contexto do ensino básico. As sessões presenciais conjuntas, intercaladas com sessões de trabalho autónomo, serão destinadas a: 1. apresentação e exploração das diversas temáticas constantes dos conteúdos; 2. realização de exercícios práticos num ambiente colaborativo, de partilha e reflexão; 3. reflexão critica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Deste modo pretende-se: - Aprofundamento, pelos formandos, dos trabalhos desenvolvidos nas sessões presenciais de forma a planificarem e conceberem o projeto pedagógico que irão aplicar em sala de aula com os alunos. - Exploração de temas propostos pelo formador. Esta exploração decorrerá assente em metodologias de trabalho ativas, realizadas tanto individualmente como em pequenos grupos, e desenvolvidas com a preocupação de ligação com os contextos e vivências profissionais dos formandos. São apresentadas sugestões de leituras, vídeos e proposta a realização de tarefas de caráter prático pressupondo a interação em fóruns e a exploração e conceção de recursos. - elaboração de planificações de aulas visando a aplicação de tarefas promotoras do desenvolvimento do pensamento computacional nos alunos do 1º ciclo do ensino básico, seleção das ferramentas de programação por blocos adaptadas ao ensino básico e construção das tarefas e dos instrumentos de avaliação. - lecionação em contexto sala de aula com os alunos, de acordo com as planificações realizadas e avaliação destas e das aprendizagens dos alunos - elaboração de portfólio reflexivo.

Metodologias

As temáticas a apresentar e trabalhar nas sessões presenciais encontram-se organizadas em 4 módulos, iniciando-se com a apresentação e contextualização da iniciativa “Iniciação à Programação no 1º Ciclo do Ensino Básico”, análise do currículo do 1º CEB e as orientações curriculares do pré-escolar. Pretende-se que os formandos repensem estratégias e utilizem metodologias de aprendizagem ativas, promovam a articulação curricular e transdisciplinar e privilegiem modalidades de avaliação pedagógica. A componente de trabalho autónomo será apoiada pela plataforma LMS da ERTE/DGE (http://moodle.erte.dge.mec.pt). Nesta plataforma decorrerão interações múltiplas entre formandos e entre formandos e formador, criando-se comunidades de partilha de conhecimento e de experiências, onde os formandos são incentivados, através dos vários problemas colocados, a realizarem aprendizagens significativas.As atividades centram-se na exploração dos temas propostos através de metodologias de trabalho ativas, realizadas individualmente e em pequenos grupos, desenvolvidas com a preocupação de ligação com os contextos e suas vivências profissionais.

Avaliação

Os formandos serão avaliados nos termos definidos pelo Decreto-lei nº 22/2014 e Despacho n.º 4595/2015, tendo em conta os seguintes parâmetros/critérios: participação nas sessões presenciais e relatório individual de reflexão crítica.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 DEB (2001). Currículo Nacional do Ensino Básico - Competências essenciais. Ministério da Educação Disponível em: http://www.dgidc.min-edu.pt/fichdown/livrocompetencias/ LivroCompetenciasEssenciais.pdf. [Consultado em: 10.01.09] CONSELHO DA EUROPA.(2005).Manual da literacia para a internet. Um guia para educadores. DGIDC, ERTE/PTE, Seguranet. Disponível em: http://www.seguranet.pt/files/ manual_literacia.swf. [Consultado em: 28.02.10]. CARVALHO, Ana Amélia Amorim, org. – “Manual de ferramentas da Web 2.0 para professores”. Lisboa : Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular do Ministério da Educação, 2008. ISBN 978-972742-294-4. Disponível em http://www.crie.min-edu.pt/publico/web20/manual_web20-professores.pdf [consultado em 28.02.11]

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
2 06-11-2021 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Online síncrona
3 13-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 13-11-2021 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Online síncrona
5 20-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 27-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
7 27-11-2021 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Online síncrona


172

Ref. 102A1_T10 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 26-04-2022

Fim: 18-06-2022

Regime: e-learning

Local: A Distância

Formador

Patrícia Alexandra Rodrigues Marques

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 26-04-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
2 03-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
3 10-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 17-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 21-05-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 24-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 31-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 07-06-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 18-06-2022 (Sábado) 09:30 - 13:00 3:30 Online síncrona


158

Ref. 104A3_T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109956/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 26-04-2022

Fim: 16-06-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Paulo Manuel de Matos Pereira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN EU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-tool Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-04-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:00 3:30 Online síncrona
2 28-04-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 04-05-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
4 12-05-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 18-05-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
6 26-05-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 01-06-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:00 3:30 Online síncrona
8 16-06-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona


171

Ref. 103A2_T12 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 13-04-2022

Fim: 25-05-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Tondela

Formador

Paulo Sergio Rodrigues Nogueira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-04-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
2 20-04-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
3 27-04-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
4 04-05-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
5 14-05-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 21-05-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 25-05-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 17:00 2:00 Online síncrona


169

Ref. 105WORKSHOP 1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Cidália Maria da Silva Arsénio Marques

José Manuel Travessa Morais Nunes

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 1: Implicações e desafios das aprendizagens essenciais potenciadas pelo digital Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


182

Ref. 105Workshop 2 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Adelina Moura

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 2: Escape room educativo como estratégia para a educação digital Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


183

Ref. 105Workshop 3 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Daniel André Claro Pereira

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


184

Ref. 105Workshop 4 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Andreia Patrícia Neves Veloso Guerreiro

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 4: Estratégias e práticas criativas com as tecnologias digitais Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


185

Ref. 105Workshop 5 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Luís Filipe Simões Barata

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 5: Potencialidades pedagógicas dos formulários online Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


186

Ref. 105Workshop 6 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Vítor Manuel Dos Reis Girão Correia Bastos

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 6: Colaboração e cooperação em E@D: Como apoiar alunos no trabalho de grupo a distância Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


187

Ref. 105Workshop 7 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Elisabete Passos Barros

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 7: Tecnologias com ferramentas educacionais no pré-escolar e 1.º ciclo Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


188

Ref. 105Workshop 8 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Helena Maria Querido Duque

Maria Alcina Rodrigues Correia

Paixão dos Santos Pinto

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 8: O Contributo da biblioteca escolar na recuperação das aprendizagens, à luz do digital Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


189

Ref. 105Workshop 9 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Raul Aparício Gonçalves

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa


Observações

Workshop 9: Matemática em projetos tecnológicos com outras áreas disciplinares Esta inscrição corresponde aos dois dias do XI Colóquio. O CFAE do Planalto Beirão realizará a constituição dos workshops em função do número de inscritos, pelo que poderá haver necessidade de transferir docentes entre os workshops a realizar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-05-2022 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona


190

Ref. 105Palestrantes Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110290/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 30-04-2022

Fim: 07-05-2022

Regime: e-learning

Local: A distância

Formador

Carlos Dinis Pinheiro

José Carlos Duarte Marques

Sara Dias-Trindade

José António Marques Moreira

Ana Paula Sousa Pinto Almeida e Silva

Adelina Moura

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Estado Português estabeleceu como uma prioridade o desenvolvimento de um Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 30/20, de 21/04. Este plano tem como objetivo estratégico colocar Portugal entre os países europeus mais proeminentes na modernização e na capacitação tecnológica, assumindo-se como o motor de transformação do país e tendo como principais áreas de foco a capacitação digital das pessoas, a transformação digital das empresas e escolas e a digitalização do Estado. A capacitação e a inclusão digital das pessoas surgem como imperativos de resposta ao impacto que a digitalização pode ter na vida de cada indivíduo, implicando uma abordagem integrada que assegure medidas diferenciadas em função do ciclo de vida dos cidadãos. Na educação, assenta em pilares diversos, onde se pretende a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares dos ensinos básico e secundário, visando a melhoria contínua da qualidade das aprendizagens e a inovação e o desenvolvimento do sistema educativo. É neste contexto desafiador que se insere a temática deste nosso colóquio, fundamentalmente pela urgência da reflexão acerca destas matérias, da prática concertada de medidas na escola, na formação e capacitação de docentes e na passagem deste testemunho às gerações futuras. Tendo como base a temática a Educação e a Escola Digital, cruzando as necessidades dos 5 AE associados com esta linha de política educativa, pretendemos que o colóquio seja perspetivado como um espaço privilegiado de debate, suscitando e apoiando a reflexão dos participantes sobre os fundamentos e operacionalização de ações concretas, para conseguirem prosseguir na promoção de uma educação inovadora e inclusiva.

Objetivos

Compreender a abrangência e o impacto do Plano de Transição Digital para as escolas e os seus diferentes atores; • Contribuir para o debate em torno do papel das organizações educativas e dos seus professores, no âmbito do digital, em articulação próxima com o currículo; • Conhecer práticas pedagógicas inovadoras, diferenciadas e centradas no aluno e capacitadoras da utilização do digital; • Utilizar e potencializar novas formas de ensinar e aprender, utilizando estratégias e metodologias pedagógicas inovadoras, conetadas com o digital; • Inferir sobre a construção e implementação de equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar; • Capacitar os docentes de estratégias/dinâmicas de construção e de implementação do digital na sala de aula, na construção de RED e utilização de novas metodologias; • Incrementar a utilização de novos e diferentes processos digitais de avaliação das aprendizagens, assentes numa metodologia conetada com práticas digitais docentes; • Compreender a educação digital e os benefícios da integração das novas formas de ensinar e aprender no currículo.

Conteúdos

Neste Colóquio serão abordados os seguintes conteúdos: • Plano de Ação para a Transição Digital: principais desafios. • Programa de Digitalização para as Escolas: estratégias de ação. • Novo Referencial para o Plano de Capacitação Digital dos Docentes. • Infoinclusão, exfoinclusão e literacia digital. • O digital como promotor de uma educação inclusiva, assente na equidade. • Gestão curricular e novas formas de atuação na escola: o papel e a ação das equipas tecnológicas educativas de professores, numa lógica de trabalho colaborativo e interdisciplinar. • Aplicações digitais que favorecem a utilização de modelos cooperativos. • O contributo dos ambientes digitais inovadores para a articulação entre o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais. • Aplicações digitais a utilizar em contexto educativo. • Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nos currículos, ao longo da escolaridade obrigatória. • O contributo das TIC para a diferenciação pedagógica. • Pedagogias inovadoras: utilização de dispositivos móveis em contexto educativo promovendo a aprendizagem ativa e interativa da comunidade educativa. • Ambientes digitais inovadores: abordagens pedagógicas com recurso às TIC. • Apresentação e experimentação de aplicações digitais interativas (e.g., quizzes, mapas mentais, animação). • Recursos educativos digitais de qualidade ao serviço da educação, da aprendizagem e da avaliação. • Soluções tecnológicas potenciadoras do feedback aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender. • Potencialidades da programação e da robótica. • Aplicações digitais potenciadoras de uma aprendizagem invertida. • Potencialidades de trabalho com a aprendizagem invertida em modelos E@D. • Potencialidades e características da gamificação em contexto educativo. • Inteligência artificial: realidade ou utopia, promotora da inovação pedagógica e do sucesso educativo? Os conteúdos referenciados serão desenvolvidos em conferências/painéis com a presença/testemunho de conferencistas do mundo académico e científico, bem como Diretores de Agrupamentos de Escolas com práticas/dinâmicas de referência, que partilham o seu elevado know-how e suscitam a reflexão em torno da qualidade das aprendizagens na era digital. Os workshops serão dinamizados por docentes e/ou equipas de professores que partilham e dão a conhecer as suas boas práticas, com a aplicação de ecossistemas de aprendizagem digitais e inovadores.

Metodologias

O Colóquio realizar-se-á em dois sábados, de acordo com a seguinte estrutura: Primeiro dia: Manhã- Conferências/painéis Tarde - Conferências/painéis Segundo dia: Manhã - Conferências/painéis Tarde - Workshops temáticos. As conferências/painéis realizar-se-ão em Plenário, com a totalidade dos formandos (até 270). Os Workshops focar-se-ão em subtemáticas complementares, de caráter predominantemente prático e promotor do trabalho colaborativo entre formandos e formandos e formador. Decorrerão em simultâneo, em salas, com um número reduzido de formandos (máximo 30). Sob o ponto de vista dos formandos, e de forma a garantir o número de horas necessárias para a acreditação (15 horas), frequentarão: - As sessões plenárias (Conferências) num total de 11 horas de formação; - Os Workshops num total de 4 horas de formação.

Avaliação

A avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10, de acordo com o ECD, Regime Jurídico da Formação Contínua e com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. O instrumento de avaliação utilizado será uma reflexão individual com número limitado de carateres. A reflexão individual, deverá contemplar uma visão global e reflexiva do Colóquio, focalizando-se, numa segunda fase, nos workshops frequentados. Deverão ser anexados os trabalhos produzidos nos workshops. A avaliação dos formandos alicerça-se na qualidade da reflexão evidenciada na elaboração do Relatório Individual (grau de clareza, postura crítica, grau de profundidade, rigor científico, pertinência, expressão escrita) – 100%. O referencial da escala de avaliação é o previsto no nº 2 do artigo 46º do ECD, aprovado pelo DL nº 75/10, de 23 de Junho: Menção qualitativa Menção quantitativa Excelente entre 9 e 10 valores Muito Bom entre 8 e 8,9 valores Bom entre 6,5 e 7,9 valores Regular entre 5,0 e 6,4 valores Insuficiente entre 1,0 e 4,9 valores No primeiro dia, na sessão plenária, haverá um espaço de apresentação do processo de avaliação dos formandos e sua participação na avaliação do Colóquio.

Bibliografia

Attewell, J., Savill-Smith, C. (Ed.). (2014). Learning with mobile devices: research and development. London: Learning and Skills Development Agency. Lencastre, J. A., Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: potencial de inovação pedagógica. In Tânia Maria Hetkowski & Maria Altina Ramos (orgs.), Tecnologias e processos inovadores na educação (pp. 159-176). Curitiba: Editora CRV. Disponível em: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/31939-tecnologias-e-processos-inovadores-na-educacao item: http://hdl.handle.net/1822/43462 Mascheroni, G.; Ólafsson, K. (2014). Net children go mobile. Risks and opportunities. Second edition. Milano: Educatt OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf] Simões, J. A. et al. (2014). Crianças e meios digitais móveis em Portugal: Resultados nacionais do projeto Net Children Go Mobile. Lisboa: CESNOVA.

Anexo(s)

Programa



Ref. 103A2_T11 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 12-03-2022

Fim: 23-04-2022

Regime: e-learning

Local: Distância

Formador

Paulo Sergio Rodrigues Nogueira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-03-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
2 16-03-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Online síncrona
3 26-03-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 02-04-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 09-04-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 16-04-2022 (Sábado) 09:00 - 12:00 3:00 Online síncrona
7 23-04-2022 (Sábado) 09:00 - 12:00 3:00 Online síncrona


168

Ref. 102A1_T4 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 02-02-2022

Fim: 11-05-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Santa Comba Dão

Formador

Ana Isabel Lopes dos Santos Craveiro

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 02-02-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
2 16-02-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
3 02-03-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
4 16-03-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
5 20-04-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
6 27-04-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:30 3:30 Online síncrona
7 11-05-2022 (Quarta-feira) 16:00 - 20:00 4:00 Online síncrona


152

Ref. 103A2_T13 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 19-01-2022

Fim: 30-03-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Tondela

Formador

José Carlos Cravo Martins

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-01-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
2 29-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
3 16-02-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
4 26-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 16-03-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
6 30-03-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona


170

Ref. 102A1_T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 13-01-2022

Fim: 20-04-2022

Regime: e-learning

Local: A Distância (Turma A1-T1)

Formador

Márcio Rafael Rodrigues dos Santos

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-01-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 20-01-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 27-01-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 10-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 17-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 24-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 19-04-2022 (Terça-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
8 20-04-2022 (Quarta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona


145

Ref. 102A1_T8 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 11-01-2022

Fim: 13-04-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Tondela

Formador

Márcio Rafael Rodrigues dos Santos

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 11-01-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 18-01-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 25-01-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 08-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 15-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 22-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 12-04-2022 (Terça-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
8 13-04-2022 (Quarta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona


156

Ref. 103A2_T6 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 05-01-2022

Fim: 23-03-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Santa Comba Dão

Formador

Ana Isabel Lopes dos Santos Craveiro

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-01-2022 (Quarta-feira) 16:00 - 19:30 3:30 Online síncrona
2 22-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 05-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
4 19-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
5 05-03-2022 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
6 23-03-2022 (Quarta-feira) 16:00 - 19:30 3:30 Online síncrona


163

Ref. 103A2_T7 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 05-01-2022

Fim: 23-03-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Molelos

Formador

José Carlos Cravo Martins

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-01-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
2 15-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
3 02-02-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
4 12-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 09-03-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona
6 23-03-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona


164

Ref. 1198 ACD Concluída

Registo de acreditação: 8 ACD

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 15-03-2022

Fim: 15-03-2022

Regime: e-learning

Local: Via Zoom

Formador

Tiago José da Cunha Rodrigues

Destinatários

Professores do Ensino Secundário/Profissional Escolas Empreendedoras da CIM Dão Lafões" Professores a lecionar nas escolas da Região Dão Lafões

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Comunidade Intermunicipal de Viseu Dão Lafões/ CFAE Planalto Beirão

Razões

A capacidade de inovar e encontrar soluções criativas é cada vez mais, uma prioridade no contexto escolar, principalmente numa altura em que o mundo evolui a uma grande velocidade, o que exige uma boa capacidade de adaptação e reinvenção. Para que a Escola seja um centro de progresso da sociedade, é preciso que consiga acompanhar os desafios atuais e apoiar a perspetivar e antecipar os desafios do futuro. É por isto e por outros fatores que, cada vez mais, a educação para o empreendedorismo é reconhecida como um objetivo transversal ao currículo, desde o ensino primário ou ensino secundário e superior, por via de diferentes abordagens. Pode ser trabalhada de forma autónoma ou, no âmbito da Educação para a Cidadania. Neste sentido, esta Ação de Curta Duração tem como principal objetivo, levar os participantes a conhecerem e experienciar, diferentes estratégias e metodologias de educação e empreendedorismo que, de forma integrada com o currículo, os levem a implementar projetos educativos com os seus alunos.

Objetivos

• Partilhar estratégias e metodologias de educação em empreendedorismo: • Partilhar boas práticas, até então adotadas pelos participantes no âmbito da promoção da educação para o empreendedorismo: • Capacitar os participantes no âmbito de processos pensamento criativo; • Reconhecer a importância e conexão com outras metodologias educativas e o empreendedorismo • Reconhecer a aplicabilidade das estratégias de educação em empreendedorismo nos diversos contextos académicos.

Conteúdos

• Sensibilização para a importância do empreendedorismo no século XXI. A compreensão do papel dos empreendedores na sociedade; • O entrosamento da temática de educação em empreendedorismo e o as orientações programáticas do Ensino Básico e Secundário; • A ligação entre as áreas curriculares e o empreendedorismo, promotor de competências transversais e de conteúdos assentes numa base experimental, baseada em situações reais.

Metodologias

• Metodologias para aprendizagem prática dos processos de inovação. Apresentação e debate de proposta de intervenção em múltiplos contextos

Avaliação

Frequência

Modelo

Preenchimento de Questionário

Bibliografia

• Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória – ME/DGE • Empreendedorismo e Inovação, Soumodip Sarkar, Escolar Editora, Lisboa, 2007. • Aprendizagens essenciais – Cidadania e Desenvolvimento – ME/DGE • Barros, M. (2001). Do empreendedorismo – Por uma cultura da iniciativa. Almeida, L.; Caires, S.; Gonçalves, A. e Vasconcelos, R. (2001). Universidade para o mundo do trabalho. Braga: Universidade do Minho. • Guião de Educação para o empreendedorismo – ME/DGE

Anexo(s)

Ficha de Ação


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-03-2022 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 111T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111497/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 10-02-2022

Fim: 10-03-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Adelina Moura

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão/Parceria PNL

Razões

A OCDE incentiva a repensar a educação numa perspetiva de mudança e a necessidade de continuar a garantir uma educação de qualidade. Para enfrentar os desafios contemporâneos é preciso uma abordagem holística que responda às necessidades de aprendizagem, problemas sociais e emocionais dos alunos e seja uma oportunidade para experimentar e imaginar novos modelos de educação e novas maneiras de conduzir o processo educativo presencial e on-line. Sabemos como a formação contínua de professores é um elemento chave para o êxito do sistema educativo. Vivemos numa sociedade altamente informatizada, por isso há necessidade de investimento na formação docente direcionada para as literacias digitais e integração pedagógica da tecnologia. Com esta formação pretendemos oferecer oportunidades para fomentar nos participantes o desenvolvimento profissional e aproximá-los de metodologias emergentes para trabalho interdisciplinar e inovação pedagógica. Serão apresentados projetos de aprendizagem para ambientes colaborativos e aplicáveis a diferentes modalidades, facilitadores da transformação digital da educação. O PNL2027 apoia e fomenta esta formação, que se alinha com as suas prioridades de capacitação para a leitura, a escrita e as literacias digitais, enquanto base transversal de competências comum a todas as áreas do conhecimento.

Objetivos

• Melhorar a formação dos participantes através da conceção de projetos de aprendizagem para trabalho interdisciplinar ou por áreas; • Fomentar as competências digitais e metodológicas dos participantes; • Promover dinâmicas de reflexão através de análises críticas de práticas educacionais e desenho de ações educativas inovadoras; • Favorecer a utilização crítica das TIC como ferramentas transversais ao currículo; • Interagir com outros docentes através da construção de uma comunidade de prática em torno das literacias digitais; • Fomentar a leitura do currículo partindo da lógica da ação e não apenas do conteúdo; • Divulgar o trabalho dos participantes e das suas instituições no Website e nas redes sociais do PNL2027.

Conteúdos

Módulo 1: Mobile Learning: desafios e oportunidades (5h síncronas + 1h assíncrona para reflexão e interação em Fórum) Metodologia - Utilização do método expositivo na apresentação da estrutura dos conteúdos Sessão 1 - 3 horas (2 teóricas + 1 prática) Apresentação da ação de formação O Mobile Learning e a educação na era digital Criação de apresentações interativas mediadas por dispositivos móveis Sessão 2 - 3 horas (3 práticas) Ferramentas e recursos digitais para aprendizagem e conhecimento Conceção de recursos interativos de aprendizagem e avaliação de conhecimentos Módulo 2: Aprendizagem Baseada em Projetos e/ou Problemas: benefícios e recursos (4h síncronas + 2 assíncronas para conceber e estruturar uma Webquest) Metodologia: Discussão e debate sobre as principais diferenças e desafios das abordagens metodológicas emergentes Sessão 3 - 3 horas (3 práticas) Modalidades de ensino e aprendizagem para a era digital Aprendizagem baseada em projetos e/ou problemas: o que os distingue? Projetos curriculares para aprendizagem interdisciplinar presencial e on-line Do paradigma do conteúdo ao paradigma da ação através de Aventuras na Web ( Webquest) Sessão 4 - 3 horas (3 práticas) Canvas para desenho de projeto de aprendizagem Ciclo e avaliação da Aprendizagem Baseada em Projetos Ferramentas digitais colaborativas Edição e criação multimédia para projetos de trabalho cooperativo Módulo 3: Aprendizagem Baseada em Jogos e Gamificação (4h síncronas + 2h assíncronas para experimentar e melhorar uma atividade gamificada) Metodologia: Intervenção permanente dos participantes, com questões pertinentes relativas às matérias teóricas ou práticas Sessão 5 - 3 horas (3 práticas) Gestão da aula e situações de aprendizagem memoráveis Aprendizagem baseada em jogos e gamificação para desafiar os alunos Mecânicas e técnicas de jogo aplicadas à educação Sessão 6 - 3 horas (3 práticas) Como desenvolver um ambiente de aprendizagem gamificado Exploração de ferramentas digitais para gamificação Criação de uma atividade curricular gamificada Módulo 4: Aprendizagem Invertida para aumentar o envolvimento dos alunos (4h síncronas + 3h assíncronas para realizar atividades práticas (vídeo e áudio) e redigir relatório crítico) Metodologia: Utilização do método interrogativo na avaliação de questões/problemas e troca de experiências e construção de saberes teórico-práticos em grupo Sessão 7 - 3h30 horas ( 3h30 práticas) Aprendizagem Invertida: um modelo para a personalização e autonomia Abordagem teórico-prática de caráter reflexivo: os pilares da Aprendizagem Invertida Estratégias e recursos para implementar a Aprendizagem Invertida Publicação dos conteúdos criados e comentários e avaliação das mesmas pelos formandos Sessão 8 - 3h30 horas ( 3h30 práticas) - Apresentação/discussão e avaliação do Diário de Aprendizagem, com os trabalhos produzidos pelos formandos e partilha de saberes - Avaliação dos formandos e da formação e sugestões de melhoria

Metodologias

A ação tem 25 horas (17h síncronas e 8h assíncronas). Sessões síncronas: Apresentação dos ambientes de apoio; Exploração dos conteúdos da ação; Análise/discussão/reflexão dos recursos criados e das estratégias e metodologias implementadas e avaliação dos resultados. Sessões assíncronas: M1. Realizar as leituras sugeridas, refletir sobre elas e partilhá-las nos fóruns criados; (1h) M2. Planificar atividade e construir conteúdos pedagógico-didáticos em formatos variados; (2h) M3. Experimentar as atividades planificadas e construídas; (2h) M4. Avaliar e reformular as atividades criadas e refletir sobre possível melhoria; (3h) A participação nas sessões síncronas será por videoconferência na plataforma Google Meet, o trabalho assíncrono de debate e criação de recursos é nas plataformas (Edmodo e Moodle) e com apoio à distância. As reflexões serão feitas em grande grupo. A avaliação incide sobre a participação nas sessões, nos fóruns e trabalho final.

Avaliação

A avaliação traduz-se numa classificação final quantitativa, na escala de 1 a 10, expressa através do referencial de menções qualitativas previstas na legislação em vigor. A aprovação no curso dependerá da obtenção de classificação igual ou superior a 5 valores e da frequência mínima de 2/3 do total de horas síncronas e assíncronas da ação. Cada formando terá de elaborar um Diário de Aprendizagem com todos os recursos produzidos e um documento escrito individual sobre a ação, com opinião crítica sobre o valor da formação e a aplicação das aprendizagens em sala de aula. A avaliação final será contínua baseada nos seguintes itens gerais: - Participação nas sessões síncronas (atitudes, qualidade das intervenções e contributos) e sessões assíncronas reflexões nos fóruns e conceção de recursos (30%); - Diário de Aprendizagem e recursos pedagógicos produzidos e aplicação dos conteúdos (50%); - Relatório de reflexão crítica sobre a própria dinâmica de participação na formação (20%).

Bibliografia

Many, E., Guimarães, S. (2006). A Metodologia de Trabalho de Projecto. Areal Editores. Mattar, J. (2017). Metodologias ativas: para uma educação presencial, blended e a distância. São Paulo: Artesanato Educacional. Moura A. (2019). Estratégias de gamificação para envolver os alunos na aprendizagem de obras literárias. In Dias, Paulo; Moreira, Darlinda; Quintas-Mendes, António (Coord.), Inovar para a qualidade na educação digital. Lisboa: Universidade Aberta, pp. 63-76. Shengquan, Y., Mohamed, A., Avgoustos, T. (2017). Mobile and Ubiquitous Learning: An International Handbook. Singapore: Springer. Tourón, J., Santiago, R. (2015). El modelo Flipped Learning y el desarrollo del talento en la escuela. Revista de Educación, 368, pp. 196-231.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 10-02-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
2 11-02-2022 (Sexta-feira) 00:00 - 02:00 2:00 Online assíncrona
3 17-02-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
4 18-02-2022 (Sexta-feira) 00:00 - 02:00 2:00 Online assíncrona
5 24-02-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
6 25-02-2022 (Sexta-feira) 00:00 - 02:00 2:00 Online assíncrona
7 03-03-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
8 04-03-2022 (Sexta-feira) 00:00 - 02:00 2:00 Online assíncrona
9 10-03-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona

Ref. 1144 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 4 ACD-2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 10-02-2022

Fim: 10-02-2022

Regime: Presencial

Local: Bombeiros Voluntários de Tondela

Formador

Nuno Fernando Ferreira Marques

Destinatários

Docentes do Grupo Disciplinar 620

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE-PB/INEM/DGE

Razões

Os estudos científicos comprovam que a probabilidade de sobrevivência é tanto maior quanto menor o tempo decorrido entre uma paragem cardiorrespiratória (PCR) provocada por uma fibrilação ventricular e a consequente desfibrilhação. A rápida desfibrilhação, enquanto objetivo, é difícil de atingir se efetuada apenas por médicos, já que a PCR ocorre na maioria das vezes fora do hospital. Nesse sentido recomenda-se que os “não médicos” sejam treinados e autorizados a utilizar desfibrilhadores, na sequência do enquadramento proporcionado pela legislação existente. Tendo em vista a massificação do ensino e treino das manobras de suporte básico de vida com desfibrilhação automática externa, designadamente no âmbito da formação efetuada nos estabelecimentos de ensino, justifica-se a criação deste produto pedagógico, de forma a promover a formação dos professores com competências técnico/pedagógicas nesta área. O número máximo de elementos a admitir à formação, bem como a relação formador/formando, teve em conta a capacidade pedagógica prévia dos elementos que integrarão estas ações.

Objetivos

Gerais Demonstrar competências como formador de Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa (SBV/DAE). Específicos (Operacionais) Demonstrar capacidade no ensino e treino das manobras de SBV/DAE

Conteúdos

 60 Minutos: Sessão prática de SBV-DAE  45 Minutos: Algoritmo de SBV-DAE e demonstração  75 Minutos: Sessão prática de execução de tarefas  45 Minutos: Workshop sobre avaliação prática  15 Minutos: Avaliação e encerramento do curso

Metodologias

Formação Sessões Teóricas Sessões Práticas

Modelo

Avaliação Prática Continua, realizada durante a execução das tarefas atribuídas, nas quais o formando terá de ter nota igual ou superior a 15 valores (75%), para ficar aprovado.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 10-02-2022 (Quinta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

Ref. 1133 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 3 ACD-2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 10-02-2022

Fim: 10-02-2022

Regime: Presencial

Local: Bombeiros Voluntários de Tondela

Formador

Nuno Fernando Ferreira Marques

Destinatários

Docentes do Grupo Disciplinar 620

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE-PB/INEM/DGE

Razões

Os estudos científicos comprovam que a probabilidade de sobrevivência é tanto maior quanto menor o tempo decorrido entre uma paragem cardiorrespiratória (PCR) provocada por uma fibrilação ventricular e a consequente desfibrilhação. A rápida desfibrilhação, enquanto objetivo, é difícil de atingir se efetuada apenas por médicos, já que a PCR ocorre na maioria das vezes fora do hospital. Nesse sentido recomenda-se que os “não médicos” sejam treinados e autorizados a utilizar desfibrilhadores, na sequência do enquadramento proporcionado pela legislação existente. Tendo em vista a massificação do ensino e treino das manobras de suporte básico de vida com desfibrilhação automática externa, designadamente no âmbito da formação efetuada nos estabelecimentos de ensino, justifica-se a criação deste produto pedagógico, de forma a promover a formação dos professores com competências técnico/pedagógicas nesta área. O número máximo de elementos a admitir à formação, bem como a relação formador/formando, teve em conta a capacidade pedagógica prévia dos elementos que integrarão estas ações.

Objetivos

Gerais Demonstrar competências como formador de Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa (SBV/DAE). Específicos (Operacionais) Demonstrar capacidade no ensino e treino das manobras de SBV/DAE

Conteúdos

ACD3 – 4 HORAS  15 Minutos: Apresentação e objetivos do curso  45 Minutos: Algoritmo de SBV e demonstração  90 Minutos: Sessão prática de SBV, PLS e DVA  90 Minutos: Sessão prática de execução de tarefas

Metodologias

Formação Sessões Teóricas Sessões Práticas

Modelo

Avaliação Prática Contínua, realizada durante a Execução das tarefas atribuídas, nas quais o formando terá de ter nota igual ou superior a 15 valores (75%) para ficar aprovado.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 10-02-2022 (Quinta-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

Ref. 1165 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 5 ACD-2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 09-02-2022

Fim: 16-02-2022

Regime: e-learning

Local: À distância

Formador

Patrícia Alexandra de Almeida Monteiro

Destinatários

Docentes de todos os níveis de ensino a exercer funções no AE de Carregal do Sal.

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

ARS Centro- CRI de Viseu; Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal e Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

Na sequência da aplicação de um questionário a todos os intervenientes do contexto escolar do Agrupamento de Escolas, nomeadamente aos docentes, e com base no resultado dos mesmos, considerou-se pertinente desenvolver uma ação de formação de curta duração com os seguintes objetivos: Aumentar os níveis de informação na área dos CAD; Reconhecer a importância da comunidade escolar na prevenção dos CAD; Promover uma reflexão sobre o papel do docente na prevenção dos CAD e sua possível intervenção; Informar sobre as respostas/recursos existentes no território.

Objetivos

Com a presente ação de formação pretende-se atingir os seguintes objetivos: . Aumentar os níveis de informação na área dos CAD; . Reconhecer a importância da comunidade escolar na prevenção dos CAD; . Promover uma reflexão sobre o papel do docente na prevenção dos CAD e sua possível intervenção; . Informar sobre as respostas/recursos existentes no território.

Conteúdos

• Os Comportamentos Aditivos e Dependências . As Substâncias Psicoativas e respetivos efeitos . CAD sem substância – jogo e internet • Intervenção preventiva em contexto escolar: estratégias e programas • Respostas/Recursos existentes Centro de Respostas Integradas de Viseu- intervenção e estruturas

Metodologias

A ação decorre em 2 sessões de 3 horas, valorizando-se uma metodologia teórico prática tendo em vista colmatar as lacunas neste âmbito identificadas no tratamento estatístico do questionário aplicado a todos os intervenientes do AE de Carregal do Sal.

Avaliação

Assiduidade dos Formandos

Modelo

Preenchimento de um questionário pelos formandos e pela formadora. Tratamento estatístico desses dados e avaliação pela Secção de Formação e Monitorização e Conselho de Diretores do CFAE-PB

Bibliografia

Borges, C. e Filho, H. (2007). Intervenções Breves: Álcool e Outras Drogas – Manual Técnico e Cd-Rom. Lisboa: Climepsi. Cristiano Nabuco de Abreu; Rafael Gomes Karam; Dora Sampaio Góes; Daniel Tornaim Spritzr. (2008). Dependência de Internet e de Jogos Eletrónicos: uma revisão. Revista Brasileira de Psiquiatria. Junho Patrão, Ivone e Sampaio, Daniel. (2016). Dependências Online – O Poder das tecnologias. Pactor Editora. Lisboa. (SICAD) Plano de ação para a redução dos comportamentos aditivos e das dependências. (SICAD) Plano de formação em comportamentos aditivos e dependências 2021/2022.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 09-02-2022 (Quarta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Online síncrona
2 16-02-2022 (Quarta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Online síncrona

Ref. 1121 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 1 ACD-2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 31-01-2022

Fim: 31-01-2022

Regime: Presencial

Local: Casa do Povo de Tondela

Formador

Nuno Fernando Ferreira Marques

Destinatários

Para docentes do grupo disciplinar 620

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE-PB e INEM e DGE

Razões

A doença cardiovascular assume uma liderança destacada no mundo ocidental na morbilidade e mortalidade das populações. A morte súbita é muitas vezes a primeira manifestação dessa doença. A fibrilhação ventricular é o mecanismo mais frequente da paragem cardio-respiratória (PCR) de origem cardíaca e o seu único tratamento eficaz é a desfibrilhação eléctrica. A probabilidade de sobrevivência é tanto maior quanto menor o tempo decorrido entre a fibrilhação e a desfibrilhação. Sendo que a rápida desfibrilhação enquanto objetivo é difícil de atingir se efetuada apenas por médicos, já que a PCR ocorre na maioria das vezes em ambiente pré-hospitalar, recomenda-se que profissionais não médicos sejam treinados e autorizados a utilizar desfibrilhadores desde que a sua atuação seja enquadrada em Programas de DAE com controlo e auditoria médica qualificada. Só assim se conseguirá a conjugação de esforços que tornam a desfibrilhação um meio para atingir um objetivo último de melhoria da sobrevida após PCR de origem cardíaca. Nesse sentido, e com intenção de promover a utilização de Desfibrilhadores Automáticos Externos (DAE) em locais públicos ou em veículos de emergência, organizou-se esta ação que visa formar operacionais de Desfibrilhação Automática Externa.

Objetivos

Adquirir competências que lhe permitam realizar corretamente manobras de SBV com utilização de um Desfibrilhador Automático Externo (DAE), numa vítima em paragem cardiorrespiratória. Específicos (Operacionais)  Compreender o conceito de cadeia de sobrevivência;  Identificar os potenciais riscos para o reanimador;  Saber executar corretamente as manobras de SBV;  Conhecer o conceito de DAE;  Identificar as regras de segurança inerentes à utilização de DAE;  Descrever os passos e a sequência de intervenções com o DAE;  Saber executar corretamente o algoritmo de SBV com utilização de DAE.

Conteúdos

 Cadeia de Sobrevivência.  Riscos para o reanimador.  Algoritmo de SBV.  Posição lateral de segurança.  Algoritmo de desobstrução da via aérea.  Algoritmo de SBV com DAE.

Metodologias

ACD1 – 4 HORAS 15 Minutos – Apresentação, Objetivos e Contextualização do Curso 30 Minutos – Teórica I - Suporte Básico de Vida Adulto 10 Minutos – Demonstração algoritmo de SBV (4 passos) 60 Minutos – Sessão Prática I Suporte básico de vida (30 min) Demonstração de PLS (demo da técnica/ 5 min) Posição lateral de Segurança (10 min) Demonstração algoritmo DVA (demo da técnica/ 5 min) Desobstrução da VA (10 min) 30 Minutos – Teórica II – Desfibrilhação Automática Externa/Situações especiais com DAE. 30 Minutos – Workshop: Comandos do DAE e Colocação de Elétrodos 15 Minutos – Demonstração algoritmo de SBV com DAE 50 Minutos – Sessão Prática II: Casos clínicos SBV DAE (Sucesso imediato)

Modelo

Aplicação de questionário de satisfação aos formandos


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 31-01-2022 (Segunda-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

Ref. 1152 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 2 ACD-2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 31-01-2022

Fim: 31-01-2022

Regime: Presencial

Local: Casa do Povo de Tondela

Formador

Nuno Fernando Ferreira Marques

Destinatários

Docentes do Grupo Disciplinar 620

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE-PB/INEM/DGE

Razões

A doença cardiovascular assume uma liderança destacada no mundo ocidental na morbilidade e mortalidade das populações. A morte súbita é muitas vezes a primeira manifestação dessa doença. A fibrilhação ventricular é o mecanismo mais frequente da paragem cardio-respiratória (PCR) de origem cardíaca e o seu único tratamento eficaz é a desfibrilhação eléctrica. A probabilidade de sobrevivência é tanto maior quanto menor o tempo decorrido entre a fibrilhação e a desfibrilhação. Sendo que a rápida desfibrilhação enquanto objetivo é difícil de atingir se efetuada apenas por médicos, já que a PCR ocorre na maioria das vezes em ambiente pré-hospitalar, recomenda-se que profissionais não médicos sejam treinados e autorizados a utilizar desfibrilhadores desde que a sua atuação seja enquadrada em Programas de DAE com controlo e auditoria médica qualificada. Só assim se conseguirá a conjugação de esforços que tornam a desfibrilhação um meio para atingir um objetivo último de melhoria da sobrevida após PCR de origem cardíaca. Nesse sentido, e com intenção de promover a utilização de Desfibrilhadores Automáticos Externos (DAE) em locais públicos ou em veículos de emergência, organizou-se esta ação que visa formar operacionais de Desfibrilhação Automática Externa.

Objetivos

Adquirir competências que lhe permitam realizar corretamente manobras de SBV com utilização de um Desfibrilhador Automático Externo (DAE), numa vítima em paragem cardiorrespiratória.

Conteúdos

 Cadeia de Sobrevivência.  Riscos para o reanimador.  Algoritmo de SBV.  Posição lateral de segurança.  Algoritmo de desobstrução da via aérea.  Algoritmo de SBV com DAE.

Metodologias

45 Minutos – Sessão Prática III: Casos clínicos SBV DAE (Choque não recomendado) 60 Minutos – Sessão Prática IV: Casos clínicos SBV DAE (Insucesso) 60 Minutos - Sessão Prática V: Casos clínicos SBV DAE (Sucesso tardio) 15 Minutos – Avaliação e Encerramento do Curso

Avaliação

Avaliação Prática Contínua (com todos os formandos em sala) Aprovação: Classificação igual ou superior a 10 valores

Modelo

Aplicação de de questionário de satisfação dos formandos.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 31-01-2022 (Segunda-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 102A1_T7 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 13-01-2022

Fim: 12-03-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Molelos

Formador

Patrícia Alexandra Rodrigues Marques

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Observações

A calendarizar

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-01-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
2 20-01-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
3 27-01-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 03-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 10-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 17-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 19-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
8 24-02-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 12-03-2022 (Sábado) 09:30 - 13:00 3:30 Online síncrona


155

Ref. 102A1_T6 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 12-01-2022

Fim: 25-03-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Santa Comba Dão

Formador

Ana Isabel Lopes dos Santos Craveiro

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-01-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
2 26-01-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
3 09-02-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
4 23-02-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
5 09-03-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 19:30 5:00 Online síncrona
6 24-03-2022 (Quinta-feira) 17:00 - 19:00 2:00 Online síncrona
7 25-03-2022 (Sexta-feira) 17:00 - 19:00 2:00 Online síncrona


154

Ref. 103A2_T9 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 12-01-2022

Fim: 19-03-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Molelos e Escola Secundária de Mortágua

Formador

Paulo Sergio Rodrigues Nogueira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-01-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
2 22-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
3 05-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 16-02-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Online síncrona
5 05-03-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 18-03-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 19-03-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona


166

Ref. 102A1_T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 11-01-2022

Fim: 05-03-2022

Regime: e-learning

Local: Online

Formador

Patrícia Alexandra Rodrigues Marques

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 11-01-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
2 18-01-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
3 25-01-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 01-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 08-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 12-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
7 15-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 22-02-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 05-03-2022 (Sábado) 09:30 - 13:00 3:30 Online síncrona


151

Ref. 103A2_4 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 05-01-2022

Fim: 26-02-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Molelos

Formador

Paulo Sergio Rodrigues Nogueira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-01-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
2 08-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
3 15-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 29-01-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 12-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 19-02-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
7 26-02-2022 (Sábado) 09:00 - 12:00 3:00 Online síncrona


161

Ref. 1176 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 6 ACD- 2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 05-01-2022

Fim: 12-01-2022

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária do Carregal do Sal

Formador

Helena Maria Daniel de Melo Carvalho

Destinatários

Docentes do AE Do Carregal do Sal (Coordenadores de Departamento e área disciplinar

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE do Planalto Beirão e AE de Carregal do Sal

Razões

Esta ACD surge por solicitação dos formandos da Oficina MAIA do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal no sentido de sensibilizar os restantes professores, através dos órgãos coordenadores intermédios, para o Projeto MAIA e suas principais temáticas. Assim, pretende-se divulgar o referido Projeto e o seu âmbito a um maior número de professores, por ação dos coordenadores, permitindo debater conceitos, aprofundar ideias, colocar dúvidas e também apresentar e discutir exemplos práticos de aplicação de metodologias e práticas na sala de aula no âmbito do Ensino / Aprendizagem / Avaliação. Para além da referida divulgação, pretende-se sobretudo refletir, questionar e debater os principais conceitos basilares deste Projeto.

Objetivos

Os objetivos principais desta ACD são: - Refletir acerca das práticas docentes na sala de aula e das metodologias privilegiadas; - Distinguir Avaliação e Classificação / Avaliação Formativa e Avaliação Sumativa; - Atualizar o conhecimento teórico-prático sobre o Ensino, a Aprendizagem e a Avaliação; - Melhorar as práticas de Ensino / Aprendizagem / Avaliação; - Exemplificar práticas de feedback na sala de aula; - Questionar a participação dos alunos no Ensino / Aprendizagem / Avaliação (auto e heteroavaliação); - Refletir acerca dos processos de recolha de informação utilizados; - Exemplificar o papel das Rubricas como processo de recolha de informação; - Refletir acerca dos Critérios de Avaliação / Classificação.

Conteúdos

Os principais conteúdos desta ACD são os do Projeto MAIA: - O Processo de Ensino / Aprendizagem / Avaliação; - Avaliação Formativa / Avaliação Sumativa; - Avaliação / Classificação: - O Feedback e a Avaliação Formativa; - Os processos de recolha de informação: diversidade e âmbito; - A aplicação das Rubricas nas Avaliações Formativa e Sumativa; - A avaliação das atitudes e valores no âmbito das atividades e tarefas.

Metodologias

- Apresentação teórico-prática de alguns conceitos; - Troca e debate de ideias; - Exemplificação de processos e metodologias; - Colocação e esclarecimento de dúvidas.

Avaliação

Assiduidade dos Formandos

Modelo

Preenchimento de um questionário pelos formandos e pela formadora. Tratamento estatístico desses dados e avaliação pela Secção de Formação e Monitorização e Conselho de Diretores do CFAE-PB

Bibliografia

Folhas e Textos do Projeto MAIA


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-01-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Online síncrona
2 12-01-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Online síncrona

Ref. 1187 ACD T1 Concluída

Registo de acreditação: 7 ACD-2021/2022

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 04-01-2022

Fim: 04-01-2022

Regime: e-learning

Local: Via Zoom

Formador

Rosa Maria Pereira de Carvalho

Destinatários

Docentes que vão exercer funções de avaliadores externos em 2021/2022

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

Alguns docentes vão assumir pela primeira vez o papel de Avaliadores Externos, pelo que se considerou pertinente a realização desta ação de formação, para que os mesmos, conhecendo e refletindo sobre todo o procedimento referente à AEDD, se sintam mais à vontade e cumpram cabalmente as competências inerentes a este novo desafio profissional, reconhecendo igualmente a importância da atribuição de uma justa classificação aos avaliados, referente à dimensão científico pedagógica que observam nos 180 minutos legalmente estabelecidos

Objetivos

• Apoiar/coordenar os docentes que vão exercer o papel de Avaliador Externo; • Dar a conhecer o enquadramento legal que suporta a Avaliação de Desempenho Docente; • Dar a conhecer o papel do Avaliador Externo; • Conhecer/refletir sobre a operacionalização do procedimento de AEDD; • Dar a conhecer os documentos em uso no CFAE a utilizar neste âmbito; • Refletir sobre o processo avaliativo; • Refletir sobre os parâmetros científicos e pedagógicos, indicadores e níveis de desempenho; • Enquadrar a Avaliação Externa no processo de Avaliação de Desempenho Docente.

Conteúdos

• Enquadramento legal da Bolsa de Avaliadores Externos (BAE) e da Avaliação Externa do Desempenho Docente; • Operacionalização do processo de observação de aulas e monitorização e apoio aos avaliadores externos; • Documentação em uso no CFAE-PB; • Procedimentos a adotar no processo de AEDD. • Parâmetros científicos e pedagógicos, indicadores e níveis de desempenho; • A Avaliação Externa no processo de Avaliação de Desempenho do Docente.

Metodologias

Apresentação/Reflexão/Partilha/Debate sobre os conteúdos a abordar

Avaliação

Assiduidade dos Formandos

Modelo

Preenchimento de um questionário para formandos e para formadores . Tratamento estatístico desses dados e avaliação pela Secção de Formação e Monitorização e Conselho de Diretores .

Bibliografia

Despacho Normativo nº24/2012 de 26 outubro (Bolsa de Avaliadores) Decreto Regulamentar nº26/2012 de 21 fevereiro (Regime Jurídico ADD) Despacho nº13981/2012, de 26 outubro (Parâmetros Nacionais de Avaliação Externa) Alarcão, I., Tavares, J. (2003). Supervisão da Prática Pedagógica –Uma Perspectiva de Desenvolvimento e Aprendizagem. Coimbra: Livraria Almedina. De Ketele, J-M. (2010). A avaliação do desenvolvimento profissional dos professores: postura de controlo ou postura de reconhecimento?. In M. P. Alves & E. A. Machado, O Pólo de Excelência (pp ). Porto: Areal Editores. Graça, A., Duarte, A.P., Lagartixa, C., Tching, D., Tomás, I., Almeida, J., Diogo, J., Neves, P., Santos, R. (2011). Avaliação do desempenho docente: Um guia para a acção. Lisboa: Lisboa Editora. Hadji, C. (1994) . Avaliação, Regras do Jogo . Porto: Porto Editora. Mialaret, G. (1991). A formação de professores. Coimbra. Livraria Almedina Reis, P. (2011). Observação de aulas e avaliação do desempenho docente. Cadernos do CCAP-2. Ministério de Educação: CCAP. março 2013


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-01-2022 (Terça-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona

Ref. 108T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108908/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 04-11-2021

Fim: 02-12-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Tondela

Formador

Fábio Fonseca Ribeiro

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - CFAE do Planalto Beirão

Razões

Tendo presente a reforma curricular em curso, particularmente no que toca à política educativa relacionada com a Autonomia e Flexibilidade Curricular (Decreto-Lei n.º 55/2018), importa atentar aos desafios que esta acarreta. Em consonância com o referido e com documentos orientadores da ação educativa como o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória cabe às escolas e, em específico, aos docentes a repensar as suas práticas letivas. Neste quadro, é imperioso atentar a dinâmicas de trabalho pedagógico que favoreçam estratégias que conduzam à melhoria da qualidade das aprendizagens, com vista à promoção do sucesso escolar. Para tal, o processo de avaliação afigura-se como um domínio de capital importância. Por um lado, porque permite medir e apoiar a aprendizagem do aluno; por outro, por ser um regulador dos processos de ensino. Como suporte a estratégias que visem garantir tais dimensões da avaliação, a utilização de ferramentas e serviços online/digitais (FSO/D), nomeadamente em ambientes digitais, podem ter um papel preponderante para apoiar os esforços de aprendizagem dos alunos e de ensino dos professores. Reconhecendo a necessária formação de docentes nesta dimensão, considerado este um pilar essencial para uma real integração didática de tecnologias (“em sala de aula”), esta oficina de formação pretende capacitar os professores a integrar FSO/D nas suas práticas avaliativas, particularmente na avaliação formativa, possibilitando uma melhor gestão de informação e feedback personalizados sobre a aprendizagem.

Objetivos

A Oficina de Formação visa a capacitação de docentes ao nível utilização de ferramentas e serviços online/digitais (FSO/D), com vista a uma mudança de práticas de Avaliação Formativa, tendo como finalidade a melhoria das aprendizagens dos alunos e de ensino dos docentes. Assim, estabelecem-se os seguintes objetivos a atingir nesta Oficina de Formação: - Formar docentes para a utilização de FSO/D que contribuam para a Avaliação Formativa - Explorar estratégias e/ou atividades/tarefas promotoras da criação de um ambiente de aprendizagem online potenciador de Avaliação Formativa dos alunos - Desenvolver recursos/materiais suportados por tecnologia potenciadores da realização de uma Avaliação Formativa - Planificar uma atividade/tarefa suportada por tecnologia potenciadora da realização de uma Avaliação Formativa - Implementar atividades/tarefas de Avaliação Formativa em contexto real - Apresentar e discutir as potencialidades das FSO/D para a Avaliação Formativa

Conteúdos

As orientações de ação educativa nacionais, especificamente no que toca ao Decreto-Lei n.º 55/2018 que atribui às escolas maior Autonomia e Flexibilidade Curricular, remetem de forma clara e explícita para a importância da dimensão da Avaliação, sobretudo a formativa, como parte integrante do ensino e da aprendizagem. No contexto escolar, a avaliação formativa é de capital importância dado o seu papel fundamental na transformação e melhoria das realidades escolares. É a avaliação enquanto regulador dos processos de ensino e aprendizagem que garante o atingir dos conhecimentos exarados nas Aprendizagens Essenciais das diferentes áreas curriculares, bem como das capacidades e atitudes desenvolvidas no âmbito das áreas de competências inscritas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Para uma avaliação justa e adequada aos diferentes alunos, finalidades e ao tipo de informação a recolher é fundamental diversificar procedimentos, técnicas e instrumentos. Assim, torna-se essencial reforçar as dinâmicas de avaliação das aprendizagens centrando-as na diversidade de instrumentos que permitam um maior conhecimento da eficácia do trabalho realizado para que seja possível distribuir feedback de elevada qualidade a todos os alunos. Em consonância com o referido, a utilização de estratégias suportadas por ferramentas e serviços online/digitais pode contribuir para a criação de diferentes e inovadores ambientes de ensino e aprendizagem, onde a) o professor recolhe informação e atribui feedback e b) os alunos possam pensar, resolver problemas, criar, expressar-se, interagir e a colaborar. Neste sentido, a utilização de tecnologia como suporte à avaliação (formativa) poderá facilitar, melhorar, tornar mais rigoroso e célere todos os processos, nomeadamente, pela capacidade de diversas ferramentas e serviços online/digitais em atribuir de forma instantânea ou personalizada feedback, recolher informação e focar o ensino no aluno e nos diferentes níveis destes (personalização). Neste quadro, caberá ao professor a tomada de decisão acerca da melhor e mais adequada estratégia a usar, suportada por ferramentas/serviços online/digital potenciadores da criação de produtos/recursos para o aluno realizar ensaios argumentativos, experiências e apresentações, criar mapas de conceitos, resolver problemas, trabalhar em grupo, entre outros. Tendo como base as mais recentes abordagens sobre a avaliação, assentes no recurso a FSO/D usados para transformar práticas docentes centradas no aluno, nesta OF visa-se: - Contribuir com soluções tecnológicas potenciadoras de atribuir feedback que possibilite aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender; - Desenvolver competências tecnológicas dos formandos que garantam o aplicar das soluções a explorar, nomeadamente, que centrem a ação pedagógica no aluno; - Planear a avaliação formativa tendo em vista o propósito primordial da avaliação que é o de garantir que os alunos aprendem melhor, por exemplo, trabalhar em pequenos grupos, em pares ou no grande grupo; - Desenvolver atividades e tarefas diversificadas centradas no envolvimento real e ativo do aluno no processo de avaliação (autoavaliação, avaliação entre pares ou avaliação em grande grupo).

Metodologias

Presencial: - 1.ª sessão (3h): Discussão sobre quadros teórico-conceptuais sobre Avaliação; exploração de exemplos concretos de atividades/estratégias (p.e. OneNote); criação (registo) de uma comunidade online com suporte ao Microsoft Teams; - 2.ª sessão (3h): Exploração de FSO/D (p.e, ClassDojo, ferramentas do Office – Word, PP,…), potenciadores da criação de atividades/estratégias de Avaliação; - 3.ª sessão (3h): Continuação da Exploração de FSO/D (p.e, Tes blendspace, Nearpod,…), potenciadores da criação de atividades/estratégias de Avaliação; - 4.ª sessão (3h): Delineação dos traços gerais de atividade de avaliação formativa a desenvolver; Criação de instrumentos de avaliação suportados por FSO/D (p.e, Kahoot e Forms). - 5.ª sessão (3h): Apresentação e discussão das atividades de Avaliação Formativa; Discussão sobre a importância da OF para uma mudança efetiva de práticas de avaliação. Trabalho Autónomo: - Planificar uma atividade de Avaliação Formativa; - Criar e partilhar na comunidade online um vídeo curto de apresentação das atividades desenvolvidas; - Implementar uma atividade de Avaliação Formativa.

Avaliação

A Oficina de Formação deverá assumir um caráter formativo em todas as sessões, pretendendo-se proporcionar oportunidades para os professores-formandos poderem progredir de ambientes mais abrangentes para ambientes mais restritos, isto é, associação de exemplos concretos de avaliação formativa aos respetivos contextos de lecionação. Serão objetos de avaliação os produtos alcançados pelos formandos, bem como os processos conduzidos para os obter. A saber: a) Materiais/recursos desenvolvidos (50%); b) Participação/envolvimento nas sessões presenciais da formação (30%); c) Relatório individual (3 páginas) (20%). Cada um dos itens apontados será objeto da elaboração de critérios de avaliação que permitam aferir uma avaliação qualitativa e quantitativa, tais como: a) Inovação/criatividade; diversidade de soluções criadas a partir da FSO/D usados; b) Respostas a todas as solicitações do formador; registos de evidências e apresentação do vídeo com a atividade/ tarefa; c) Capacidade de autoavaliação; capacidade de reflexão crítica sobre o atingir dos objetivos propostos para a OF; clareza e domínio dos argumentos a apresentar.

Bibliografia

Amante, L. e Oliveira, I. (2019). Avaliação e feedback. Desafios atuais. [Disponível em https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/8419] Fernandes, D. (2019). Para um enquadramento teórico da avaliação formativa e da avaliação sumativa das aprendizagens escolares. In M.I.R. Ortigão, D. Fernandes, T. V. Pereira, & L. Santos (Orgs.), Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: Perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento (pp.139-164). Curitiba, Brasil: CRV. Fernandes, D. (2019a). Avaliação formativa. Folha de apoio à formação - Projeto MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Neves, A. e Ferreira, A. (2015). Avaliar é preciso? Guia prático de avaliação para professores e formadores. Lisboa: Guerra & Paz. OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf]

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-11-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
2 11-11-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 18-11-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 25-11-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
5 02-12-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona


173

Ref. 109T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109151/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 02-11-2021

Fim: 30-11-2021

Regime: e-learning

Local: a distância

Formador

Fábio Fonseca Ribeiro

Destinatários

Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário; Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário; Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21, a ação de formação releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

Tendo presente a reforma curricular em curso, particularmente no que toca à política educativa relacionada com a Autonomia e Flexibilidade Curricular (Decreto-Lei n.º 55/2018), importa atentar aos desafios que esta acarreta. Em consonância com o referido e com documentos orientadores da ação educativa como o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória cabe às escolas e, em específico, aos docentes a repensar as suas práticas letivas. Neste quadro, é imperioso atentar a dinâmicas de trabalho pedagógico que favoreçam estratégias que conduzam à melhoria da qualidade das aprendizagens, com vista à promoção do sucesso escolar. Para tal, o processo de avaliação afigura-se como um domínio de capital importância. Por um lado, porque permite medir e apoiar a aprendizagem do aluno; por outro, por ser um regulador dos processos de ensino. Como suporte a estratégias que visem garantir tais dimensões da avaliação, a utilização de ferramentas e serviços online/digitais (FSO/D), nomeadamente em ambientes digitais, podem ter um papel preponderante para apoiar os esforços de aprendizagem dos alunos e de ensino dos professores. Reconhecendo a necessária formação de docentes nesta dimensão, considerado este um pilar essencial para uma real integração didática de tecnologias (“em sala de aula”), esta oficina de formação pretende capacitar os professores a integrar FSO/D nas suas práticas avaliativas, particularmente na avaliação formativa, possibilitando uma melhor gestão de informação e feedback personalizados sobre a aprendizagem.

Objetivos

A Oficina de Formação visa a capacitação de docentes ao nível utilização de ferramentas e serviços online/digitais (FSO/D), com vista a uma mudança de práticas de Avaliação Formativa, tendo como finalidade a melhoria das aprendizagens dos alunos e de ensino dos docentes. Assim, estabelecem-se os seguintes objetivos a atingir nesta Oficina de Formação: - Formar docentes para a utilização de FSO/D que contribuam para a Avaliação Formativa - Explorar estratégias e/ou atividades/tarefas promotoras da criação de um ambiente de aprendizagem online potenciador de Avaliação Formativa dos alunos - Desenvolver recursos/materiais suportados por tecnologia potenciadores da realização de uma Avaliação Formativa - Planificar uma atividade/tarefa suportada por tecnologia potenciadora da realização de uma Avaliação Formativa - Implementar atividades/tarefas de Avaliação Formativa em contexto real - Apresentar e discutir as potencialidades das FSO/D para a Avaliação Formativa

Conteúdos

As orientações de ação educativa nacionais, especificamente no que toca ao Decreto-Lei n.º 55/2018 que atribui às escolas maior Autonomia e Flexibilidade Curricular, remetem de forma clara e explícita para a importância da dimensão da Avaliação, sobretudo a formativa, como parte integrante do ensino e da aprendizagem. No contexto escolar, a avaliação formativa é de capital importância dado o seu papel fundamental na transformação e melhoria das realidades escolares. É a avaliação enquanto regulador dos processos de ensino e aprendizagem que garante o atingir dos conhecimentos exarados nas Aprendizagens Essenciais das diferentes áreas curriculares, bem como das capacidades e atitudes desenvolvidas no âmbito das áreas de competências inscritas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Para uma avaliação justa e adequada aos diferentes alunos, finalidades e ao tipo de informação a recolher é fundamental diversificar procedimentos, técnicas e instrumentos. Assim, torna-se essencial reforçar as dinâmicas de avaliação das aprendizagens centrando-as na diversidade de instrumentos que permitam um maior conhecimento da eficácia do trabalho realizado para que seja possível distribuir feedback de elevada qualidade a todos os alunos. Em consonância com o referido, a utilização de estratégias suportadas por ferramentas e serviços online/digitais pode contribuir para a criação de diferentes e inovadores ambientes de ensino e aprendizagem, onde a) o professor recolhe informação e atribui feedback e b) os alunos possam pensar, resolver problemas, criar, expressar-se, interagir e a colaborar. Neste sentido, a utilização de tecnologia como suporte à avaliação (formativa) poderá facilitar, melhorar, tornar mais rigoroso e célere todos os processos, nomeadamente, pela capacidade de diversas ferramentas e serviços online/digitais em atribuir de forma instantânea ou personalizada feedback, recolher informação e focar o ensino no aluno e nos diferentes níveis destes (personalização). Neste quadro, caberá ao professor a tomada de decisão acerca da melhor e mais adequada estratégia a usar, suportada por ferramentas/serviços online/digital potenciadores da criação de produtos/recursos para o aluno realizar ensaios argumentativos, experiências e apresentações, criar mapas de conceitos, resolver problemas, trabalhar em grupo, entre outros. Tendo como base as mais recentes abordagens sobre a avaliação, assentes no recurso a FSO/D usados para transformar práticas docentes centradas no aluno, nesta OF visa-se: - Contribuir com soluções tecnológicas potenciadoras de atribuir feedback que possibilite aos alunos saberem o que têm de aprender, onde se encontram em relação à aprendizagem e o que têm de fazer para aprender; - Desenvolver competências tecnológicas dos formandos que garantam o aplicar das soluções a explorar, nomeadamente, que centrem a ação pedagógica no aluno; - Planear a avaliação formativa tendo em vista o propósito primordial da avaliação que é o de garantir que os alunos aprendem melhor, por exemplo, trabalhar em pequenos grupos, em pares ou no grande grupo; - Desenvolver atividades e tarefas diversificadas centradas no envolvimento real e ativo do aluno no processo de avaliação (autoavaliação, avaliação entre pares ou avaliação em grande grupo).

Metodologias

Presencial: - 1.ª sessão (3h): Discussão sobre quadros teórico-conceptuais sobre Avaliação; exploração de exemplos concretos de atividades/estratégias (p.e. OneNote); criação (registo) de uma comunidade online com suporte ao Microsoft Teams; - 2.ª sessão (3h): Exploração de FSO/D (p.e, ClassDojo, ferramentas do Office – Word, PP,…), potenciadores da criação de atividades/estratégias de Avaliação; - 3.ª sessão (3h): Continuação da Exploração de FSO/D (p.e, Tes blendspace, Nearpod,…), potenciadores da criação de atividades/estratégias de Avaliação; - 4.ª sessão (3h): Delineação dos traços gerais de atividade de avaliação formativa a desenvolver; Criação de instrumentos de avaliação suportados por FSO/D (p.e, Kahoot e Forms). - 5.ª sessão (3h): Apresentação e discussão das atividades de Avaliação Formativa; Discussão sobre a importância da OF para uma mudança efetiva de práticas de avaliação. Trabalho Autónomo: - Planificar uma atividade de Avaliação Formativa; - Criar e partilhar na comunidade online um vídeo curto de apresentação das atividades desenvolvidas; - Implementar uma atividade de Avaliação Formativa.

Avaliação

A Oficina de Formação deverá assumir um caráter formativo em todas as sessões, pretendendo-se proporcionar oportunidades para os professores-formandos poderem progredir de ambientes mais abrangentes para ambientes mais restritos, isto é, associação de exemplos concretos de avaliação formativa aos respetivos contextos de lecionação. Serão objetos de avaliação os produtos alcançados pelos formandos, bem como os processos conduzidos para os obter. A saber: a) Materiais/recursos desenvolvidos (50%); b) Participação/envolvimento nas sessões presenciais da formação (30%); c) Relatório individual (20%). Cada um dos itens apontados será objeto da elaboração de critérios de avaliação que permitam aferir uma avaliação qualitativa e quantitativa, tais como: a) Inovação/criatividade; diversidade de soluções criadas a partir da FSO/D usados; b) Respostas a todas as solicitações do formador; registos de evidências e apresentação do vídeo com a atividade/ tarefa; c) Capacidade de autoavaliação; capacidade de reflexão crítica sobre o atingir dos objetivos propostos para a OF; clareza e domínio dos argumentos a apresentar.

Bibliografia

Amante, L. e Oliveira, I. (2019). Avaliação e feedback. Desafios atuais. [Disponível em https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/8419] Fernandes, D. (2019). Para um enquadramento teórico da avaliação formativa e da avaliação sumativa das aprendizagens escolares. In M.I.R. Ortigão, D. Fernandes, T. V. Pereira, & L. Santos (Orgs.), Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: Perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento (pp.139-164). Curitiba, Brasil: CRV. Fernandes, D. (2019a). Avaliação formativa. Folha de apoio à formação - Projeto MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Neves, A. e Ferreira, A. (2015). Avaliar é preciso? Guia prático de avaliação para professores e formadores. Lisboa: Guerra & Paz. OCDE (2020). Education responses to covid-19: Embracing digital learning and online collaboration. [Disponível em https://oecd.dam-broadcast.com/pm_7379_120_120544-8ksud7oaj2.pdf]

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 02-11-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
2 09-11-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 16-11-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 23-11-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
5 30-11-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona


174

Ref. 103A2_T5 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 20-10-2021

Fim: 17-12-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Santa Comba Dão

Formador

Ana Isabel Lopes dos Santos Craveiro

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
2 27-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
3 10-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
4 17-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
5 24-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
6 17-12-2021 (Sexta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona


162

Ref. 102A1_T5 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 16-10-2021

Fim: 10-12-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Santa Comba Dão

Formador

Ana Isabel Lopes dos Santos Craveiro

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 16-10-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
2 30-10-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
3 13-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
4 27-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
5 04-12-2021 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
6 10-12-2021 (Sexta-feira) 16:00 - 19:30 3:30 Online síncrona


153

Ref. 103A2_T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 14-10-2021

Fim: 09-12-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Carregal do Sal

Formador

Paulo Manuel de Matos Pereira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-10-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 20-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
3 28-10-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 03-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
5 11-11-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 17-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 18:00 3:30 Online síncrona
7 30-11-2021 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 09-12-2021 (Quinta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Online síncrona


149

Ref. 103A2_T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109957/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 07-10-2021

Fim: 06-12-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Mortágua

Formador

Paulo Manuel de Matos Pereira

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-10-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 13-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 18:00 3:30 Online síncrona
3 21-10-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 27-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
5 04-11-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 10-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 18:00 3:30 Online síncrona
7 18-11-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 29-11-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona


160

Ref. 110T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108448/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 06-10-2021

Fim: 24-11-2021

Regime: Presencial

Local: a distância

Formador

Marco Alexandre Carvalho Bento

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

A sala de aula convencional é muitas vezes apresentado como um local onde o docente exibe e esclarece conteúdo, enquanto os alunos ouvem e tiram notas. A aula, geralmente, é centrada no professor; no entanto, pode-se ter uma metodologia mais dialógica e dinâmica com os alunos. r os mesmos exercícios, tendo em vista o equipamento tecnológico acessível na sala de aula no mesmo local. Em 2007, Jonathan Bergmann e Aaron Sams, ambos professores, apresentam uma nova abordagem de ensino: a aula invertida (Flipped Classroom). A aula invertida é uma das formatações pedagógicas resultantes da utilização dos recursos tecnológicos proporcionados pela internet. Esta ação pretende desenvolver competências básicas que permitam aos professores implementar na sala de aula diversas ferramentas e aplicações enquadradas na aula invertida e na gamificação.

Objetivos

No final da ação, os formandos devem ser capazes de: Perceber os conceitos de Gamificação e de Aula Invertida; Identificar os elementos da Gamificação e da Aula Invertida; Perceber a forma como, quer a Gamificação quer a Aula Invertida, poderão contribuir tanto para o processo de aprendizagem como para a avaliação; Aplicar a Gamificação e a Aula Invertida de forma efetiva, com o objetivo de melhorar a aprendizagem dos alunos; Utilizar aplicações e ferramentas da Gamificação e da Aula Invertida, tendo consciência dos benefícios da sua utilização no processo de ensino/aprendizagem.

Conteúdos

1. Apresentação do curso – 1h 2. Introdução ao conceito de Gamificação – 1h 3. Introdução ao conceito de Aula Invertida – 1h 4. Vantagens e limitações da Gamificação e da Aula Invertida – 1 h 5. Aplicação prática da Gamificação na sala de aula – 8 horas a. Ferramentas “web based”; b. Apps. 6. Aplicação prática da Aula Invertida – 8 horas a. Ferramentas “web based”; b. Apps. 7. Partilha de projetos – 4 h 8. Avaliação do curso – 1h

Metodologias

As sessões serão Teórico/Práticas e serão divididas em segmentos com as seguintes metodologias: 1. Método Expositivo; 2. Instrução direta; 3. Realização de trabalhos práticos circunstanciados à sala de aula e enquadrados na área disciplinar de cada docente.

Avaliação

• Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais • Trabalhos práticos efectuados nas sessões presenciais e reflexão crítica final, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados nas escola de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa equivalente.

Bibliografia

Bergmann, J.; Sams, A. ( 2013) Flip Your Students' Learning. Educational Leadership, v. 70, n. 6, p. 16-20. Disponível em http://www.ascd.org/publications/educational- leadership/mar13/vol70/num06/Flip-Your-Students'-Learning.aspx Bergmann, J.; Sams, A. (2012b) How the Flipped Classroom is radically transforming learning.The Daily Riff. Learning, Innovation & tech. Disponível em http://www.thedailyriff.com/articles/how-the-flipped-classroom-is-radically-transforming- learning-536.php Fulton, K. (2012) Upside down and inside out: Flip Your Classroom to Improve Student Learning. Learning & Leading with Technology, v. 39, n. 8, p. 12-17. Disponível em http://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ982840.pdf Lateef, F. (2014). The Flipped Classroom: Viewpoints in Asian Universities. Education in Medicine Journal Wilson, S.G. (2013) The Flipped Class: A Method to Address the Challenges of an Undergraduate Statistics Course. Teaching of Psychology, Philadelphia, v. 40, n. 3, p. 193-199. Disponível em http://top.sagepub.com/content/40/3/193.full.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
2 13-10-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 20-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
4 27-10-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
5 03-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
6 10-11-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
7 17-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Online síncrona
8 24-11-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Online síncrona


147

Ref. 102A1_T9 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 06-10-2021

Fim: 24-11-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Tondela

Formador

José Carlos Cravo Martins

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Observações

A calendarizar

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-10-2021 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona
2 14-10-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
3 20-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
4 03-11-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
5 11-11-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
6 20-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
7 24-11-2021 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona


157

Ref. 102A1_T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109958/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 29-09-2021

Fim: 15-12-2021

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária de Carregal do Sal (Turma A1_T2)

Formador

José Carlos Cravo Martins

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro/21 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Entidade Formadora - Centro de Formação de Associação de Escolas do Planalto Beirão

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 29-09-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
2 13-10-2021 (Quarta-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Online síncrona
3 30-10-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 17-11-2021 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona
5 27-11-2021 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 15-12-2021 (Quarta-feira) 15:00 - 19:00 4:00 Online síncrona


150